Santa Rita do Passa Quatro vai tratar 100% do esgoto

Com a inauguração da Estação de Tratamento de Esgoto Capituva, o município de Santa Rita do Passa Quatro vai poder tratar 100% dos seus efluentes domésticos. Construída pelo DAEE, com recursos do programa Água Limpa do governo do Estado de São Paulo, a ETE Capituva foi posta em funcionamento pela COMASA (Companhia Águas de Santa Rita), que também assume a operação.

A solenidade de inauguração da nova estação de tratamento de esgoto de Santa Rita do Passa Quatro contou com a presença do prefeito Leandro Pilha, de Paulo Roberto de Oliveira, presidente da GS Inima Brasil e da COMASA, Carlos Roberto Ferreira, diretor técnico da COMASA,  José Carlos Karabolad, diretor de engenharia e obras do DAEE.

“Sem a parceria com a COMASA, o município não poderia avançar tanto,” disse o prefeito Leandro Pilha. “Com essa nova ETE Santa Rita sai na frente dos municípios brasileiros em relação à universalização do saneamento básico”.

 

Para Paulo Roberto de Oliveira, a missão da  concessionária é atender o município e toda sua população, no que  realmente é necessário: “Unimos esforços para que a cidade pudesse coletar, afastar e tratar 100% do esgoto para que ele volte como água limpa para o meio ambiente. É uma honra para nós participar do desenvolvimento de Santa Rita do Passa Quatro”, disse o presidente da COMASA.

Com capacidade para tratar 2,9 mil m3 de esgoto por dia, a ETE Capituva  vai atender 45% da população de Santa Rita do Passa Quatro. Atualmente a ETE Marinho responde pelo tratamento dos esgotos domésticos de 55% dos moradores da cidade.

Para levar os esgotos à ETE Capituva, a COMASA construiu um coletor em PVC de 1,3 mil metros de extensão, com diâmetro de 200 mm, que vai ligar o novo loteamento do CDHU ao interceptor do sistema de esgotamento sanitário da bacia do córrego Capituva. O sistema utilizado na ETE Capituva é integrado por estação elevatória de esgoto, pré-tratamento em lagoa aerada com nitrificação, decantação, desidratação de lodo e desinfecção final do efluente, para devolver a água limpa à natureza.